Create your own banner at mybannermaker.com!
Copy this code to your website to display this banner!

Quem sou eu

Minha Segunda Tattoo

Antes de fazer a minha segunda tatuagem, minha mãe não gostou nem um pouco da ideia; por uma simples palavra. Eu tentei explicar a ela o motivo e significado da tatuagem, mas ela não entendeu. Até hoje ela não sabe a tradução (pois é em inglês), por mais que eu fale. É uma frase da minha música preferida de Florence + The Machine – Shake It Out.

Depois eu falo qual frase, mas a questão é que todo mundo tem a mesma reação, mas nem me perguntam o que tem de significado (sem ser o literal).
Há uma grande razão, e significado, nessa música para mim. É como se ela descrevesse a minha vida.
Eu já fiz (e ainda faço) escolhas erradas. Mas é parte da vida você errar. Já teve um momento no qual eu não me reconhecia, e tinha medo do que eu seria capaz de fazer em relação aos outros, e principalmente a mim mesma.

Teve um momento em minha vida que para não machucar as outras pessoas e não descontar a raiva nelas, eu me machuquei; eu me agredi. Naquele momento eu fiquei desesperada e comecei a pensar que aquilo não podia ser eu, era um mal do qual eu fiquei apavorada; havia algo.

No que eu estava me tornando? Até onde eu seria capaz de ir?

Era muita raiva. E para não machucar os outros, eu me machucava e os culpava. Então eu achei que eu cheguei ao meu limite.
Fui para igreja, era minha última esperança. Eu precisava me agarrar em algo. Por um tempo a igreja foi meu porto seguro, mas eu via que por mais que eu quisesse, eu não podia mudar quem eu era ou mentir para mim mesma.

Então cada vez que eu ia para meu “porto seguro” eu ficava leve, mas ao sair, pesava. Comecei a achar que eu não estava fazendo as coisas certas. Eu poderia fingir (não que eu o fiz) aos olhos das pessoas; mas como fazer isso, se na verdade o que importava era que eu nunca fingiria aos olhos de Deus?
Comecei a questionar. Deus sabe quem eu sou com meus defeitos e tudo mais. Deus conhece a minha dor. Eu passei a pensar que eu não fingiria para ninguém, se Deus sempre soube de toda a verdade. A igreja passou a ser algo que me cobrava atitudes das quais eu não mais poderia oferecer. Eu não vou mais a igreja pelo simples fato de que lá eu não me sinto mais acolhida, e sim cobrada.

Eu acredito em Deus, sempre acreditei e nunca vou deixar de acreditar. Eu tenho fé em Deus. E mais, irei na igreja sempre que eu sentir que deva ir, sem ser obrigada.

Igreja a parte. Tive de falar sobre isso tudo pela explicação da minha tatuagem, pois minha mãe falou “Deixou de ir na igreja e agora essa tatuagem?”!

Essa frase está localizada perto de minhas cicatrizes (apesar de ser um lugar no qual a frase acaba ficando meio torta, fica retinha para eu ler e é isso que importa), para eu sempre me lembrar de nunca mais fazer aquilo a mim mesma.
“Procurando pelo paraíso, encontrei o demônio em mim”

A questão do significado da tattoo é que eu sempre busquei coisas boas para a minha vida. Eu respeito os outros, mas não deixo de ser sincera (e essa sinceridade, minha mãe muitas vezes considera “falta de um coração”, agressividade, etc...).

Então, resumindo. Eu quero algo bom para a minha vida sem passar por cima de ninguém, mas nesse caminho eu encontrei algo dentro de mim, que sim, pode ser comparado com um demônio , pois eu tive um medo absurdo de tudo e, do que eu estava fazendo e me tornando.
E essa “coisa” dentro de mim me assustou, e eu prometi a mim mesma que nunca mais seria fraca a ponto de escutá-la novamente
.

A tatuagem e minhas marcas juntas são para me fazer lembrar a música completa que diz: enterrar todo o mal, libertar-se, e seguir em frente sem remorsos.
 


Shake It Out – Liberte-se

Feliz Dia das Crianças!


Pra você que ainda é criança: Aproveite muito!
Ah, que saudade eu tenho da minha infância... Foi muito boa!

SEHNSUCHT


Dancei

Sorria mesmo quando estiver triste, o mundo é muito sério.
Não se deixe abalar pelo que ele pode estar pensando. Ele não pensa em você.
Se satisfaça com o saber de que ele não sabe o que passa em sua mente, e isso pode estar o corroendo pos dentro; como não.
Seja feliz, ele não está ao seu lado.
Quantas lágrimas você já deixou que ele as tirassem?
Quantas coisas você já andou perdendo pelos cantos?
Quantos motivos você já bolou para não enxergar o fim?
Houve algum começo?
E os passos que ele deu sem se importar com você?
E você parada, sempre a espera dele. Ele nunca chegou, não?

Ele não virá essa noite também. Então coloque a melhor música para tocar e, dance.
Pense que ele pode estar pensando nas besteiras que ele fez, ou nas coisas que deixou de fazer; e agora ele pensa "onde ela está, se não está do meu lado?".
Deixe-o lamentar sozinho, pois hoje você está feliz, que nem ao menos se lembra do nome dele; do perfume dele, do olhar que te machuca...
Sorria.
Não pense no que você irá sentir mais tarde, amanhã. Apenas sinta o agora. E você está dançando.

Ele quer ser o seu par (?), mas nessa música você está confortável em dançar sozinha.

Sabe aquele gostinho amargo que ele deixou?
Essa noite você não o saboreará. Você é de você e só sua.

É insano? Deixe que todas a achem louca!
Ser normal é muito chato.
Ele acha que você perdeu um parafuso?
Diga que você perdeu a caixa inteira. E que não é da ajuda dele que você precisa para recolhe-los.
Você achará sozinha.
Sinta o orgulho de que você se ama, e seu amor é melhor do que aquele que ele dizia lhe dar.

Ele não se importa? E daí?
Seu mundo continua aí, a lhe rodear, te fazendo lembrar de que você existe.

Ele perdeu algo lindo.
Ele perdeu um caminho.
Ele perdeu um sorriso.
Ele perdeu os abraços sinceros.
Ele perdeu os beijos ternos.
Ele perdeu uma vida, uma possibilidade.
Ele perdeu o momento a partir do minuto em que se acovardou a não lhe falar nada.
Ele perdeu a oportunidade.
E você a ganhou!

Olhe para a sua vida. Veja que nesse caminho não dá mais para seguir adiante. Deixe-o para trás; ele fez as escolhas dele.
E agora, você para?
Não, você vira a esquerda; ao invés de seguir pelo retorno, você irá ajudar a asfaltar a estrada, e seguir adiante.
Faça o seu caminho; ele não o destruiu, só sumiu com o seu mapa.

Tudo que eu sofri em 26, 27 e 28 de Setembro de 2012

Pensei que fosse forte, me enganei.
Sorri o dia inteiro, a noite eu chorei.
Disse para mim mesma que não valia a pena. E não vale... Você fez não valer.
Mais uma vez foi tudo coisa de "em meu mundo"; eu acabei imaginando tudo.
Eu ainda penso em você, e você estava certo. Parabéns pela sua felicidade.
Eu cansei de ser a garota triste; mas por mais que eu negue tudo, mais eu me afundo em minhas tristezas.
Até quando tudo isso irá durar?

Minha cabeça funciona de um jeito estranho:
Quando eu gosto de alguém, eu tenho tendências a notar "certos olhares".
A enxergar o que somente EU vejo.
Cada dia eu caio em uma fantasia diferente; uma nova desilusão.
Então, no final das contas, eu estrago tudo.
Os olhares nunca foram meus; nunca para mim.
Aquele sentimento se quebra e nada mais faz sentido.
Eu choro por ter me enganado por tanto tempo, porque eu precisava disso.

E quando acontece de outra entrar em sua vida, eu não fico triste por ela estar lá.
Eu fico triste por ter aparecido depois de mim; por ela ter (com facilidade) conquistado, o que eu não fazia ideia de como fazê-lo.
Eu me chateio pelo fato de você ter pensado que quer estar com ela em todos os momentos; em ter dado a ela, algo que eu desejei.
Eu me magôo, por ainda pensar que mesmo assim as coisas não mudaram; que você ainda está muito perto.
Você não toma distância, não me deixa respirar.
Pode ser o simples fato de que você não tem opção; mas você poderia me fazer alguns favores:
- Quando me ver, me ignore. Finja que eu não estou ali. De que nunca nos falamos, podemos ser os estranhos perfeitos!
- Quando tivermos que pegar o mesmo ônibus, se eu estiver na parte da frente, entre e fique no fundo (vice versa).
- Quando eu estiver sentada no banco do ônibus, não fique em pé ao meu lado.
- E se eu estiver em pé, não fique em pé atrás de mim como se fizesse questão de estar ali.
- Não vire a cabeça para ver meu ônibus partindo, enquanto você fica.
- Não espere pelo ônibus no terminal ao meu lado. (Se sentindo [possivelmente] "incomodado" com o que você carrega nos dedos /
eu posso estar vendo demais, mais uma coisa de minha mente, mas foi isso que eu vi: você incomodado por estar ali).

Eu não vou deixar de notar você, de pensar em você, enquanto isso tudo não acabar; enquanto ainda tivermos de nos ver diariamente.
Eu me sinto péssima quando estou perto de você. Tudo por ter sido uma coisa em minha cabeça, e outra na tua.
Mas quando eu chego em casa, eu engulo seco.
Você não está mais em meu foco; pode estar no pensamento, mas é sua presença que me machuca. Então eu fico bem. Por um tempo.

Eu tive esperanças porque eu precisava de alguém; e essa pessoa era você.
Eu sempre preciso de alguém para gostar. Esse era você.
Quando eu não tenho um foco no horizonte, eu me sinto triste e sozinha.
Quando eu gasto as minhas energias gostando de alguém, é tolice, mas eu me sinto viva.

Agora eu me sinto oca.
Só há um vazio que você deixou.

Quanto tempo eu vou levar para encontrar outra resposta?
Eu não sei.
Eu já posso tê-la, mas nada como você foi.
Eu não posso negar isso.
Eu pisei tanto na bola, de chegar a pensar que não era minha culpa.
Eu preciso ser mais humilde e sincera para admitir que, foi minha culpa nada ou tudo ter acontecido.
E ter coragem para aceitar que o seu “perdão” foi de coração, e não somente para se livrar de mim.
Eu sei quem eu sou. Eu sei o que você deve ter passado; eu faço uma ideia.

Agora para eu me desprender, eu preciso ficar sozinha.
Afinal de contas você foi...

E agora eu vejo que eu nunca vali nada para você.
Se você me quisesse como eu te queria, você teria se esforçado.

Era sempre eu quem "corria" atrás.
Quem dava oi.
Quem ficava perto.
Quem tentava ter assunto.

Eu nunca vi você correndo atrás; tentando.
Eu fui um chiclete em sua vida?
Um tormento?
Um furacão?

Se sim, é porque eu te queria muito.
E eu precisei que você fosse mais do que você foi.
Eu precisava de um amigo que soubesse lidar comigo, com quem eu sou.
Eu precisava de um amor que me amasse, como eu queria amar.

Mais você não soube ser tudo isso; quem sabe, nem queria, ou nem ao menos tentou.
Mais uma vez "eu no meu mundo de ilusões".

Quando pareceu que eu te ignorava, eu te queria mais.
Quando pareceu que era o fim, eu desejava que fosse o começo.
Quando tudo acabou (por que você quis), eu desejei recomeçar.
Quando eu disse para me deixar em paz; eu queria que você grudasse em mim.

Eu queria que você só me dissesse oi; e que gostasse de ficar do meu lado, mesmo em silêncio.
Que o silêncio entre nós dois, não fosse tão constrangedor, como foi para mim.
Mas eu não controlo (e nem quero controlar) o que os outros (você) pensam.

Eu nunca soube quem você realmente era.
Quem você foi comigo?
Porque, sinceramente, não foi somente eu quem pareceu “estranha” nessa história.
Eu nunca "te vi" de verdade. Parecia que você conversava comigo por causa da implicância de nossos amigos.
Por isso (e mais algumas coisas) e quis distância.
Eu não queria tentar fazer parte da vida de alguém que não desejasse que eu estivesse ali.
Eu já sou muito indesejada, e ser (ainda mais) por você, eu não aguentaria mais desilusões.

Quem é você, afinal?
Quando seus amigos te perguntavam as coisas você falava uma coisa (típico de quem quer agradar uma "sociedade").
Quando eu te perguntava, eram outras respostas.
Que jogo você fez?

Eu cai nessa de dupla personalidade, ignorando-a. Porque eu sabia dos meus defeitos.
E se eu pareci muito confusa; não foi por ser duas caras, e sim porque eu tenho muitos lados que se ajudam e se complentam...
Nem que acabem passando por cima de mim.

Pode ser coisa da minha cabeça, mas eu vejo como seus amigos me olham. Eu queria que eles parassem com isso.
Entendo que todos nós precisamos falar. Eu também quero falar tudo, mas olho ao meu redor e nunca vejo ninguém a quem eu queira me abrir.
Escrever é o que eu gosto de fazer se não consigo falar.

Eu não consigo mais falar o seu nome.
Eu não aguento mais me ver, esperando pra te ver.

Eu te prometo parar com isso tudo.
Eu te prometo não mais pensar em você. (Vou me esforçar)!
Eu te prometo a partir de agora, nunca mais ter qualquer esperança.
Eu te prometo te deixar em paz.

Eu não sou muito religiosa, mas quando (na igreja) pediram nomes para, em oração, desejar o bem, o seu nome foi o primeiro a vir em minha cabeça.

Então, eu te desejo toda a felicidade que um dia desejei a mim.
Que tenha as coisas que eu quis para mim:
Eu desejo que você viva em paz e viva bem.
Que prospere na vida.
Que te façam feliz.
Que te amem e que ao mesmo tempo você ame também.
Que seja sincero com você mesmo.
Que não guarde nada indesejável.
Que tenha saúde e viva muito.
Que sua inocência viva sem passar por cima de você.
Que sua coragem só aumente.
Que o seu espírito viva puro. E que possa passar isso para a sua próxima geração.

Eu sei que eu não me enganei quando eu comecei a gostar de você.
Eu não me arrependo de ter notado você naquele ônibus.
Mas agora preciso te esquecer.
E, com tudo isso, eu aprendi a como ser mais forte e resistir a tudo (além da dor).
Por isso eu agradeço por você ter passado pela minha vida.
Foi pouco, rápido, intenso, mas você foi...

... Alguém para mim!

O significado do Sol [04 de Setembro de 2012]

Hoje, enquanto eu voltava para casa, me distraí. Sem querer, olhei para o horizonte onde, lá havia o luar mais lindo que eu já vi na minha vida. A Lua cintilante coberta por nuvens negras; nem em filmes haveria de ter luar tão lindo.
Foi um dia comum, sem nada que pudesse fazer valer a pena, mas apenas aquele segundo olhando para o luar já fez o dia inteiro valer a pena.
Colocando em consideração, hoveram muitos dias em que eu pensei que por ter ocorrido fatos que me agradaram, haviam valido a penas viver. Me enganei. Apenas o luar de hoje, fez tudo valer a pena; e no segundo seguinte, tudo voltou ao normal, e eu a minha realidade.

Eu não gosto muto do Sol, mas comparei muitos com ele.
Talvez, porque o que eu considero ser o meu Sol não me trás o carinho e calor de que eu preciso.
O meu Sol aquece um momento de meu dia, mas é a noite, com o luar da Lua mais linda que me traz o conforto, a esperança, de que amanhã seja um dia melhor.
O Sol aquece e, pode até ferir.
A Lua te renova e te fortalece; enquanto as estrelas cintilam no céu, ela expande a sua luz, para que a noite não seja apenas Trevas.

Eu não quero mais brincar de te querer

Já levaram muitas partes de mim, e quando lhe conheci, estava aos pedaços... Pensava que você era diferente, mas agora há uma dor incomum dentro de mim.
Não pensava que você teria esse efeito sobre mim; pensava que era tudo uma brincadeira, um capricho, uma distração para o meu coração não se sentir solitário.
E agora dói demais.
Então, que vá embora, não olhe para trás.
Quando o último momento de nós nos vermos chegar, saiba que eu estarei feliz: finalmente o meu sofrimento terá um fim.

Você estava certo quando disse que o primeiro a esquecer é o mais feliz; vamos brindar a sua felicidade, e a daquela que agora é só sua.
Todos estavam certos no final das contas, só eu a errada, sempre em te querer. A esperança nunca morreu, mas hoje ela se suicidou.

Prometo a ti que irei me empenhar, mas prometo a mim mesma que serei feliz.
Na minha mente eu vi algo que criei, mas agora eu vejo as coisas como você as via.
Nunca houve nada especial.
Nunca houveram olhares.
Você nunca sentiu nada; sempre uma pedra de gelo.
Você nunca se importou com o que poderia estar provocando. Já eu me importei por nós dois.

Você nunca gostou de mim, não?

Pois eu digo, que gostei de cada dia que te via. Te olhava. Te esperava. Só tinha olhos para você.
Que pena, me ceguei por tanto tempo, ignorando o que podia estar do meu lado; e oportunidades perdidas para a esperança.
Já você era o invisível. Então comecei a te tratar feito um. Por mais difícil que foi, tinha de ser desse jeito.
Eu tinha que sofrer mais uma vez. É horrivel ser viciada nesse certo tipo de tristeza.

Obrigada por mais uma lição dolorosa, viu. É assim que eu cresço.
Sofrendo, a cada dia aprendendo a não sentir mais.
A quem eu estou enganando; quanto mais eu quero não sentir, mais eu sinto.
Eu só preciso chorar, para limpar a tristeza dentro de mim; aí estará tudo bem. Eu não choro mais por você, e sim por mim.

14 de Agosto de 2012

Você sabe que estamos aonde estamos por minha culpa.
A sua voz não sai da minha cabeça, me perguntando se fez algo que me machucou, ou disse algo que não deveria; se era sua, a culpa de eu não querer te ver.

Não era culpa sua e foi decisão minha, e eu sofro com isso, com tudo que não deu certo, com o dia a dia.

Na verdade, pensando bem, a culpa foi sua (em parte); está certo que eu compliquei um pouco, mas se você realmente quisesse estar perto hoje, você teria decofrado de qualquer jeito.
Eu te encurralei, sei que você não gostou, muito menos do meu jeito. Eu fui rápido demais. Sem paciência para esperar o amanhã, você deve ter se assustado.
Mas, esclarecendo, eu te perguntei uma coisa.
Se você gostava de mim como eu gostava de você, pedi que me falasse; caso contrário, que me deixasse e fingisse que nada nunca aconteceu.
Não sei se você não entendeu o que eu quis dizer, ou se usei palavras que complicaram sua compreenção.

Você não me deixa em paz. Me perturba cada vez que me olha (virei seu tic?); cada vez que passa debaixo do meu nariz. Cada vez que fica perto de mim.

Não adianta, nada aconteceu com a gente; mas seu nome, seu rosto, não saem da minha cabeça. É como se ainda não tivesse acontecido o que era de fato para acontecer.
E o tempo fará com que tudo venha a tona.

Antes, eu tive pressa pra te conhecer; hoje eu tenho pressa pra saber qual vai ser o fim dessa história.
Ou já estamos vivendo-o e não sabemos?
Ou será o começo de tudo?
Somos orgulhosos?
Somos parecidos a ponto de não conseguirmos estarmos juntos?

Está doendo muito. Você está no meu dia a dia, lado a lado; mas mesmo assim eu não te sinto (mais).
E quando eu te vejo, sem você perceber que eu estou por perto, eu te vejo conversando com seus amigos, tranquilo, como se nada o tivesse afetando como me afeta.
E eu me lembro de que você tem uma vida; uma vida onde eu não estou.
Livre.

30 de Março de 2012

Queria ter algo positivo para escrever, mas simplesmente não consigo. Estou me sentindo como se eu estivesse fora de meu corpo, planando sobre minha cabeça.

Acho que de tanto que eu já chorei, de tanto que a vida já quebrou a minha cara, estou seca por dentro. Sinto que quero chorar, mas não consigo mais.

Acho que só vou entender o que a vida tem a dizer, quando eu me deparar com a sua resposta. Enquanto isso, vivo na interrogaçao.

Dentre a multidão [01 de Março de 2012]

Quando te vejo, a trava de segurança se rompe, o estouro faz arder a chama mais densa. O calor cobre todo o corpo. Descubro todos os medos e desejos escondidos.

Cenas insanas passam pela minha cabeça. Multidões não são capazes de conter o desejo.
No pensamento, eu estou te encontrando; estou te tocando. O abraço mais quente. O beijo mais suave e revelador. A profundidade da vontade revelada.

Um pensamento obceno dentre a multidão de desejos, diretamente direcionado a você.
A um metro de distância, cinco segundos perto de você, já é o suficiente para me perder no pecado em minha mente.

Você é quem eu quero.
O oi não dito, e engasgado.
No peito, o calor compresso, disperdiçando a tentativa de um abraço contido.
A mão fechada em punho, querendo tocar seu ombro.
Você é meu primeiro pensamento de manhã, e o último à noite.
Seu rosto é a última imagem em meus olhos fechados antes de dormir, e a primeira a me receber nos sonhos.

O que eu quero?
Eu quero você!